PARE DE FUMAR

PARE DE FUMAR

segunda-feira, 18 de março de 2013

Eles precisam ser ouvidos", garante pastor que ajuda viciados em crack



O pastor Wellington diz que quem está na rua e usa a droga perdeu todos os vínculos sociais (Beto Magalhães/em/d.a press )
O pastor Wellington diz que quem está na rua e usa a droga perdeu todos os vínculos sociais
  O pastor evangélico Wellington Vieira, de 49 anos, tem 21 deles dedicados ao trabalho com dependentes químicos de BH. Começou distribuindo sopa e hoje tem um ambulatório e duas fazendas de recuperação para 71 usuários de crack, uma em Ravena e outra em Lagoa Santa. Presidente da Federação das Comunidades Terapêuticas Evangélicas, foi convidado pela própria presidente Dilma Rousseff para ir ao Planalto defender a necessidade de financiamento governamental às comunidades terapêuticas. Em entrevista, ele se assume como ex-alcoólatra e diz ter certeza de que é possível acabar com as cracolândias. 

O que o levou a trabalhar com os usuários de crack? Como foi sua experiência com a a bebida? 
Sou movido por amor e sei falar a língua do usuário de crack. Quando tinha de 14 para 15 anos, me envolvi com uma turma que fumava maconha, bebia. Eu me casei muito cedo, aos 21 anos, e aos 24 tive uma recaída, antes de ser pastor. Até que um dia minha mulher fez uma interferência seca e direta, como deve ser. Ameaçou sair de casa com as crianças se eu não mudasse meu comportamento. Tomou minha chave e cortou meu dinheiro. 

Como acabar com a cracolândia?
Olha, já me amarrei três dias ao Pirulito da Praça Sete para entender o que leva o usuário a cortar todos os laços e a ir morar na rua. Percebi que não adianta pegar o cara e jogar de qualquer jeito numa instituição. Ele não está na rua porque está com fome, mas sim porque perdeu os vínculos com a família e com o trabalho. É por isso que não adianta dar sopa. Eles não precisam de comida, precisam de uma escuta. 

Como internar o usuário de crack que recusa tratamento?
Meu sonho é abrir duas casas, uma para o público masculino e outra para o feminino, com o nome de Só por um dia. A ideia é apenas bater um papo com o cara que está dormindo na rua e oferecer um prato de comida, um banho quente, camas limpas. Na hora do jantar, será servida uma boa comida e ele vai assistir a depoimentos de pessoas que conseguiram largar o crack. No fim do dia, vou perguntar: “E então, filho? Gostou de ficar aqui? Vamos tentar mais um dia?”  Tenho certeza de que vai dar certo. Já apresentei a proposta em seminários, mas falta patrocínio.

Resposta: Solução e projetos tem falta patrocínio 

segunda-feira, 4 de março de 2013

PADRE MANDOU MENINA IR PARA IGREJA EVANGÉLICA


Caso aconteceu em São José das Palmeiras, no oeste do Paraná.
Mãe da menina de 11 anos disse que o religioso 'exagerou".

Uma menina de 11 anos de idade, que fazia parte de um grupo de coroinhas da única igreja católica de São José das Palmeiras, no oeste do Parará, foi expulsa da igreja pelo padre por fazer questionamentos sobre a presença nos encontros.
A mãe da adolescente, Rosane Bruno, disse que a filha participa dos movimentos desde os quatro anos. Para ela, o padre exagerou e vai responder na Justiça pela decisão. “Eu quero justiça para ela, porque, agora, ela está impedida de ir na igreja, coisa que ela gosta, ela está impedida de frequentar a catequese e o que vai ser dela. E se ele fizer isso com outras crianças”, questionou a mãe.
De acordo com a coordenadora dos coroinhas Sandra Menon, a discussão começou após a menina não concordar com as responsabilidades que o grupo deveria ter com relação aos movimentos e às cerimônias. “Ela questionou o padre. Por que tanto ir na igreja. Por que tem que ir tanto na igreja? (...)E ela ainda dialogou: Padre, mas assim a gente não vai sair da igreja. Daí começou. Ela começou a alterar a voz, o padre começou a alterar a voz com ela. E nesse altera voz, ele [padre] falou que não aceitaria ela mais como coroinha na igreja. [O padre falou] Você não precisa vim mais nem na catequese nem participar de movimento nenhum e nem na igreja porque nem Deus te quer assim. Pode ir para uma igreja evangélica", contou.
A mãe da menina também afirmou que a filha chegou a casa chorando e muito “desesperada”. “Ela só falava que Deus não queria ela mais na igreja”, completou.
O padre da casa paroquial de São José das Palmeiras não foi encontrado para falar da situação. Por meio de assessoria, o Bispo de Foz do Iguaçu, também no oeste, responsável pela igreja, Dom Dirceu Vegine, disse que vai falar com a família e só depois irá se manifestar.(FONTE G1)
RESPOSTA: Pode ir para uma igreja evangélica" .........OBA VENHA SIM ..JESUS TE AMA...............

sexta-feira, 1 de março de 2013

Filha de pastor é presa por tráfico de drogas em Coxim



 Edição de Notícias/NG


Geise Lorrana da Silva Ferreira, de 18 anos, moradora em Pedro Gomes, foi presa por volta das 17h40 desta quinta-feira (28), por tráfico de drogas. A prisão foi feita pela PRF (Polícia Rodoviária Federal) na BR-163, em Coxim.
Segundo a PRF, Geise transportava 5,870 quilos de maconha, divididos em dois tabletes, num ônibus da viação Motta, que fazia o itinerário Campo Grande – Sonora.
A jovem ficou nervosa quando os policiais começaram a vistoriar o ônibus, despertando a desconfiança. Ao verificar a bagagem de Geise, a PRF encontrou o entorpecente.
Geise disse que é usuária de drogas, sendo conhecida no bairro Santo Antônio, onde seu pai é pastor. Conforme Geise, ela comprou a maconha em Campo Grande para consumir e vender.
Com R$ 1,5 mil, a jovem foi para Campo Grande a procura do entorpecente. Na região central, ela encontrou um homem que se prontificou a encontrar um vendedor. De posse da droga, Geise pegou um ônibus em direção a Pedro Gomes.
PC de Souza
A perícia constatou de que é maconha. A jovem foi encaminhada a 1ª Delegacia de Polícia Civil, pelo crime de tráfico de drogas. Ela deve ser transferida para São Gabriel do Oeste.

Resposta: Por isso eu sempre digo temos que vigiar nossos filhos.........