PARE DE FUMAR

PARE DE FUMAR

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Homossexuais ou MONSTROS

Jovem de 21 anos foi morta com requintes de crueldade, diz polícia

Segundo legista, corpo foi encontrado amarrado e adesivado em ribanceira.
Namorado da jovem foi preso em Extrema (MG) após depoimento de suspeito.


ocorrido com requintes de crueldade. Segundo a médica legista que atendeu o caso, o corpo da jovem apresentava diversos sinais de violência.
A polícia ainda investiga o envolvimento do namorado de Larissa no crime. Ele teve a prisão temporária decretada após depoimento do comerciante à polícia, que o apontou como mandate do assassinato. Segundo o delegado Valdemar Lídio Gomes Pinto, que investiga o caso, uma testemunha teria provado que os dois têm um relacionamento amoroso.
Um terceiro suspeito de participação no crime também foi preso no final da tarde desta quarta-feira (4). O casal que teria executado a jovem ainda está foragido.
"Ela estava com o corpo amarrado. Os punhos estavam amarrados aos tornozelos com fios elétricos. Pelos sinais, tudo indica que ela foi amarrada em vida. A cabeça foi toda envolta com uma fita adesiva e o corpo foi encontrado dentro de uma sacola de transporte", disse a legista Tatiana Telles Koeler de Matos.
Fraturas
"Ela apresentava várias manchas roxas pelo corpo, tinha fraturas na mandíbula em dois locais e também fratura no osso do pescoço, o que sinaliza que pode ter havido um estrangulamento", afirmou a legista.
O corpo de Larissa foi encontrado na Serra do Lopo, ponto turístico da cidade, após ser jogado de uma ribanceira de cerca de 30 metros.
Um caseiro de um sítio próximo ao local sentiu o mau cheiro e encontrou o corpo já em avançado estado de decomposição. Ainda segundo a médica legista, o estado em que o corpo foi encontrado dificultou a avaliação técnica e não permitem precisar como ela foi morta.
"Como a cabeça estava envolta em fita adesiva, eu não tinha elementos técnicos para dizer se a morte se deu pela asfixia por obstrução das vias áreas pela fita adesiva ou se ela morreu pelo estrangulamento", afirmou Tatiana Koeler.
Envolvimento do namorado
O delegado Valdemar Pinto disse em coletiva de imprensa nesta tarde que o comerciante também teria dito que foi o namorado quem deu o dinheiro para que um casal fosse contratado em São Paulo (SP) para a execução do crime.
"Segundo o que está preso [o comerciante], ele [o namorado] tem envolvimento no fato sim. Ele teria dado a ideia do sequestro e da morte. São declarações do [comerciante]. Agora nós vamos tomar as declarações [do namorado] e procurar outros meios de prova para certificar dessa realidade ou não", disse o delegado.
"Segundo ele [o comerciante], foi o namorado quem deu o dinheiro para o pagamento ao casal. Ele [o namorado] não queria que se tornasse pública a condição de homossexual dele", afirmou.
Conforme a polícia, o casal que executou o crime teria sido contratado em São Paulo por um garoto de programa, a pedido do comerciante que está preso.
"No dia, [o comerciante] entrou em contato com o garoto de programa e marcou na praça. Esse rapaz veio com uma mulher que ele [o comerciante] não sabe o nome e foi direto para o pátio da rodoviária. Eles já sabiam a rotina da Larissa", diz o delegado.
"Depois que ela chegou, eles já a abordaram e seguiram em direção à casa [do comerciante]. Ela foi morta na casa dele. Depois, eles enrolaram o corpo e desovaram", afirmou Valdemar Pinto. Segundo a Polícia Civil, o namorado de Larissa já está preso temporariamente. Ele foi levado para o Presídio de Pouso Alegre (MG).
Pais não acreditam em participação
Os pais de Larissa não acreditam que o namorado da menina esteja envolvido de alguma forma no crime. "Neste momento, pra mim [o namorado] não tem participação. Até que se prove o contrário, ele é inocente", afirmou o pai de Larissa, Luís Carlos Gonçalves de Souza.
"O delegado disse que pediu a prisão preventiva dele, mas não sabemos o por quê. Seria uma decepção total, porque ele participava diretamente com a minha família, mas eu não acredito nisso, eu não acredito", disse.
A mãe de Larissa também não acredita nesta versão e disse que saberia se a filha tivesse descoberto que o namorado tinha uma relação homossexual.
"Isso não, porque ela teria me falado, ela era muito confidente comigo", disse a mãe Maria Nicéia de Oliveira Souza.
Morte encomendada
Segundo a Polícia Civil, a morte da jovem teria sido encomendada por um comerciante da cidade, de 35 anos. Ele teria pago R$ 1 mil para que a jovem fosse morta pelo casal que a abordou e a sequestrou na rodoviária da cidade.
Segundo o delegado Valdemar Lídio Gomes Pinto, o motivo teria sido passional. A polícia agora investiga o possível envolvimento do namorado de Larissa como mentor do crime.
O delegado afirmou ainda que o caso foi resolvido após o aparecimento da testemunha que ajudou a chegar até o corpo na Serra do Lopo.
A jovem foi reconhecida pelos acessórios que utilizava. Logo em seguida, o comerciante, suspeito de ser o mandante do crime, foi preso. Ele confessou o envolvimento no crime.
A polícia também afirmou que o assassinato foi cometido devido ao ciúmes que o comerciante sentia do namorado de Larissa, que era modelo da loja dele. Conforme o delegado, uma testemunha teria provado à polícia que os dois teriam um relacionamento. O comerciante também está preso no Presídio de Pouso Alegre (MG).
Revolta dos moradores
Após o anúncio de que o corpo foi encontrado e o suspeito foi preso, moradores de Extrema, revoltados, depredaram a loja de roupas do suspeito.
A Polícia Militar chegou a isolar a área, mas o grupo de cerca de 500 pessoas passou pelo bloqueio e ateou fogo ao local, que ficou destruído.
A morte da universitária também causou revolta nas redes sociais, onde amigos de Larissa e da família deixaram depoimentos, alguns usando os marcadores #lutopelalarissa, #lutolarissa e #patrulheirosdobem.

Resposta: Monstros a população está revoltada .................. quer ser viado assume .......... 


Nenhum comentário:

Postar um comentário